#‎NãoVouTeRoubar‬…

Publicado por Griot Brazil em

O racismo sutil e camuflado é o mais dolorido de se enfrentar, porque normalmente ocorre naquele momento entre a gente e os racistas que nos adotam como mascote do seu ódio. Sem testemunhas, mesmo em meio à multidão, com comparsas e aliados que vão ajudá-los na cena daquele dia. Muitas vezes, só nos resta engolir o choro e a certeza que nunca mais vamos esquecer daquele episódio que vão se somar a tantos outros na nossa vida.

Não faz muito tempo que atinei numa particularidade que eu reproduzia há anos: Entrar e sair das lojas de braços cruzados, a não ser para pegar o produto e pagar. Muitas vezes comprei alguma coisa que não queria para mostrar que eu era uma consumidora ‘normal’. À partir do momento que identifiquei esse meu jeito de dizer para o público “Não vou te roubar’, parei de fazê-lo. Já entro preparada pra me defender dos possíveis sequestradores do meu psicológico. Desses episódios, aqui alguns relatos:racismo– Tinha conta no Banco Santander – São Miguel Paulista desde que me tornei professora. Conta antiga de quando o banco era ainda o Banespa. O gerente da minha conta me tratava como se fosse importante e sempre que eu precisava, bastava que eu fosse até ele que meus probleminhas eram solucionados. Um dia precisei falar com ele, pretendia pagar rápido uma conta por estar em horário de almoço. Entrei rápido no elevador que ia fechar a porta, e lá dentro havia uma senhora a quem dei Bom dia. Quando me viu, segurou a bolsa forte (só percebi alguns minutos depois). Descemos no mesmo andar e eu segui até a mesa do gerente. Ele não estava e me orientaram a falar com outra pessoa no lado oposto do andar. A senhora estava já no caixa para atendimento privativo, com maços e maços de dinheiro em cima da mesa. Perguntei então ao lado pela pessoa que substituía o gerente da minha conta e foi então que houve aquela movimentação. A senhora com o olhão esbugalhado para mim, balbuciava qualquer coisa para a caixa, que falou com outro, que pegou o interfone. Não deu 3 segundos e apareceram 4 seguranças me fazendo perguntas estilo FBI. Foi então que tudo escureceu na minha cabeça e entendi o que se passou desde o momento que entrei no elevador e o olhar de pavor daquela mulher ordinária. Só consegui gritar bem alto: “A senhora acha mesmo que eu vou te roubar? Que estou aqui, eu, uma professora negra que não sabe sequer roubar um grampo, vou te saquear? Vocês, seus racistas nojentos..” e ai veio a turma do deixa disso, dizendo que não era racismo, que eu tava entendendo errado e a mulher dizendo que não era racista não.

– Boticário – Também em SMPaulista. Entrei e olhava a vitrine, quando uma atendente se postou na minha frente. Eu andava, ela seguia de frente para mim sem me deixar ver os produtos. Notei que haviam outras clientes na loja e nenhuma tinha vigilância exclusiva como eu. Quando perguntava o preço de algo, ela dizia que era ‘muito caro’. Perguntei quais os perfumes mais caros da loja e ela os apontou. Peguei então 4 deles e segui para o caixa. Paguei com cartão (quando eram ainda naquelas maquinas de imprimir em carbono). Depois de pago, eu disse: “Agora estorna!” Veio gerente, segurança e a própria vendedora e eu disse que entrei pra comprar um presente, relatei o que havia acontecido e comprei apenas para mostrar que eu compraria se quisesse. Não preciso dizer que entre outras coisas, ouvi que ‘o racismo estava na minha cabeça’, claro. Se não estornassem, eu seguiria direto pra delegacia. Estornaram.

Bem, há tantos outros episódios de racismo subliminar por que passei. Alguns, nem tive como me defender ou dizer alguma coisa. só da nossa gente saberão o que é vivê-lo e quase sempre termos de engolir em seco. Contar nossas histórias revela aos nossos adotantes, aos que nos escolhem para suas práticas ordinárias, que nós sabemos que eles existem. Vivemos com professores, com amizades próximas, no trabalho, nas ruas, nos transportes, onde quer que a gente vá. Se a gente falar, eles saberão que nós entendemos o que eles fazem, e que estamos de olho nos seus racismos embutidos.
Não mais nos enganam, simples assim!

Levante Negro

 


1 comentário

Avatar

anisioluiz2008 · 03/08/2016 às 11:00 am

Republicou isso em O LADO ESCURO DA LUA.

Deixe aqui o seu comentário

%d blogueiros gostam disto: