A “cultura negra” e sua força transformadora…

Publicado por Griot Brazil em

Falar de “cultura negra” ou de cultura afro-diaspórica é também falar de resistência e luta, mas será que isso é tudo? Será que isso nos resume como seres humanos? Eu particularmente acredito que não. A exemplo dos povos negros que vivem em África, o povo negro brasileiro também é muito diverso, tanto em suas expressões culturais, quanto em sua concepção de mundo, vivencias e percepções estéticas. Na verdade o povo preto é um povo que historicamente esta em movimento e essa é uma noção viva da nossa atualidade cultural, moral e comportamental.

O estar em movimento significa viver em tempos múltiplos onde o presente e o passado se convergem e se separam continuamente. Um exemplo disso é a questão estética moderna ou passada. Elas estão sempre se chocando num eterno ir e vir que faz com que, o que era belo no passado, passe a figurar como atualidade no presente. Assim, passado e presente acabam se tornando um só tempo.

Então, assim sendo, podemos usar como exemplo a estética capilar que já algum tempo tem emponderado meninas, meninos, homens e mulheres que mesmo tendo tido um histórico de negação de sua beleza intrínseca, conseguiram se olhar no espelho e se verem belos(as). Isso sim é que é ser transformador.

A população negra tem se apropriado de suas origens e transformado antigos estigmas em motivos de orgulho e empoderamento. É o caso dos cabelos, que antes eram submetidos a intensos tratamentos químicos para ficarem lisos e agora refletem personalidade em sua forma natural: crespos ou cacheados. Assim, um novo nicho de negócio começa a ganhar força: é a vez dos salões especializados em cabelos afro conquistarem seu espaço. Diário da Região

Sim, concordamos com estes parecer, afinal, o poder de resignificar aquilo que nos diminui tem sido o gesto mais poderoso dos movimentos de negritude. Neste sentido uma das coisas que nos remetem a essa noção de atualidade esta dualisticamente ligado ao passado do nosso povo. Até porque nós somos dual ou seja vivemos em dois tempos históricos a saber o passado e o presente. Muita gente deve estar se perguntando, mas e o futuro? O futuro também faz parte das nossas preocupações, mas ele tem outro significado para nós. O futuro é uma possibilidade e por isso planeja-lo no presente é importante, mas não é essencial. Essencial mesmo para nós é permanecer vivos, em tempos de muito ódio e ressentimento.

A aceitação do cabelo afro é parte fundamental do processo de resgate da autoestima de quem vem de um histórico de alisamentos químicos e chapinhas constantes. Leia: AQUI

Sim, nós novamente concordamos com essa analise, afinal, através dos movimentos culturais afro, a cultura negra  tem sido parte fundamental na luta por direitos, preceitos e valores universais. E, claro, aceitar suas madeixas, seus blacks, dreads ou tranças nago é um ato de resistência poderosíssimo. A estética e a cultura negra quando aliadas aos nossos valores ancestrais pode mudar até mesmo aqueles valores arcaicos que tanto tem sido propagados neste mundo de ódio. Assim sendo, podemos dizer que a cultura negra é maior que o ódio, maior que o preconceito e muito maior que esse sistema de coisas que ainda insiste em nos relegar a segundo plano mesmo naquilo que fazemos de melhor.

Por: Prettu Júnior


2 comentários

Avatar

Maria Aurea dos Santos · 01/07/2019 às 2:10 am

Gostei da matéria, procuro ressaltar tal tematica ao compor meus textos poeticos , realmente o empoderamento do negro tem se intensificado,, pois estamos na década dos afrodescendentes, e creio que ainda vem muita coisa boa aí pela frente.

    Griot Brazil

    Griot Brazil · 01/07/2019 às 10:44 pm

    Maria Áurea dos Santos, é muito bom saber que o nosso trabalho de formiguinha conseguiu te tocar. Ficamos felizes com isso, afinal, estamos todos lutando essa mesma luta…

Deixe aqui o seu comentário

%d blogueiros gostam disto: